terça-feira, 11 de outubro de 2016

Saiba por que as caixas de pizza não são recicláveis. Mas existem alternativas.


Você sabia que em muitos lugares não é permitido o descarte de caixas de pizza em lixeiras ecológicas? Isso deve parecer loucura, afinal de contas, essas caixas são feitas de papelão, que, até onde se sabe, é reciclável. Mas não é no papelão que está o problema. É na pizza.
O que inutiliza as embalagens, na verdade, são os condimentos, como o óleo (gordura) e o queijo - que se impregnam no papelão. Quando uma embalagem de papelão abriga qualquer alimento que possa manchá-la com gordura (ou algo do tipo), ela deixa de ser apropriada para reciclagem. Já reparou que nos restaurantes fast-food não há lixeiras ecológicas? Pois é, apesar de muitas caixas desses alimentos aparecerem com aquele símbolo indicando a possibilidade de reciclagem, pode ter certeza de que essa informação não aparece nem nas letras miúdas.
A razão pela qual a reciclagem nestas condições fica impraticável é simples: logo quando começamos a aprender química no ginásio, a primeira lição que o/a professor(a) nos ensina é que água e óleo não se misturam. Em outras palavras, o processo de reciclagem do papel consiste em misturá-lo com água e formar uma pasta que, depois de seca, transforma-se em uma nova folha ou embalagem. Com o óleo presente nas caixas de pizza, fica impossível formar essa pasta.
Mas, como sabemos bem, a pizza é uma solução e não um problema. Mesmo que você seja daquelas pessoas que gostam de reciclar tudo, ler essa matéria não deve tornar a caixa de pizza uma vilã para você. É possível reciclar uma embalagem de pizza, sim! Basta separar as partes da caixa que não foram manchadas pela gordura, como a superfície.
Além da reciclagem, existem várias utilidades para essas caixas. No caso das caixas de pizza congeladas (que não tem o problema do óleo, apesar de fazerem mal à saúde), pode-se usar a criatividade ou enviá-la direto para a reciclagem. Já nos casos das caixas comuns, é possível separar a superfície para criar outras embalagens.
Fonte: Ecycle

0 comentários :

Postar um comentário