quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

MÚSICA COM ARTE




PINGÜIM
Bom dia, pingüim
Onde vai assim
Com ar apressado?
Eu não sou malvado
Não fique assustado
Com medo de mim
Eu só gostaria
De dar um tapinha
No seu chapéu jaca
Ou bem de levinho
Puxar o rabinho
Da sua casaca
Quando você caminha
Parece o Chacrinha
Lelé da caixola
E um velho senhor
Que foi meu professor
No meu tempo de escola
Pingüim, meu amigo
Não zangue comigo
Nem perca a estribeira
Não pergunte por quê
Mas todos põem você
Em cima da geladeira!
(Vinicius de Moraes)

A SOMBRA 
Eu sou um coelhinho orelhudo e peludinho 
Eu sou um coelhinho minha vida é só pular 
Minha sombra é engraçada 
Ora curta, ora alongada 
Uma sombra engraçada 
Que vai me acompanhar 
Se eu pulo, ela também pula 
Fica quieta se eu parar.
A GALINHA MAGRICELA
Eu conheço uma galinha
A galinha da vizinha
Avezinha magricela e depenada
Quem tem pena da galinha
Avezinha depenada
A galinha magricela da vizinha?
Bota ovos pela sala
No banheiro e na cozinha
Ela bota, bota, bota
Sem parar
A galinha magricela
Bota ovos sem parar
A galinha magricela
É magrela de botar
A galinha magricela
E bota um e bota dois e bota três
A galinha magricela
Vira cambota e bota quatro de uma vez
A galinha magricela
E bota dez e bota cem e bota mil
A galinha magricela
Bota ovo bota banca
De mais bela do Brasil
 (Eliana)
Chuva, Chuvisco, Chuvarada

Chove, mas como chove
Chuva, chuvisco, chuvarada
Por que é que chove tanto assim?

A terra gosta da chuva
E eu gosto da chuva também
Ela lá e eu aqui
Cocoricó
Quiquiriqui

Chove, mas como chove
Chuva, chuvisco, chuvarada
Por que é que chove tanto assim?
Lararáaa

Quando chove
A terra fica molinha
A planta fica verdinha
E eu ali atolado
Com o pé na lama e nariz tapado
Minha vó me chama:
"menino vem cá vem tomar chá
Vem comer bolo de cenoura
Com cobertura de chocolate quente"
Bom muito bom muito mais do que bom
É excelente

Oh que tarde tão bela
Banana quente no forno com açúcar e canela

Chove, chove ,chove deixa chover
Enquanto tiver bolo de cenoura
A gente nem vai perceber

Chove, chove, chove deixa chover
Comendo banana quente
A gente nem vai perceber.

 Seu Lobato tinha um sítio, ia, ia, ô!
E no seu sítio tinha um porquinho ia, ia, ô!
Era óinc, óinc, óinc pra cá, 
Era óinc, óinc, óinc pra lá
Era 
óinc, óinc, óinc, pra todo lado, ia, ia, ô!
 Seu Lobato tinha um sítio, ia, ia, ô!
E no seu sítio tinha uma vaquinha ia, ia, ô!
Era mú, mú, mú, pra cá, 
Era mú, mú, mú, pra lá
Era mú, mú, mú, pra todo lado, ia, ia, ô!





 
O PERU

Vinicius de Moraes

Glu! Glu! Glu!
Abram alas pro peru! 

O peru foi a passeio
Pensando que era pavão
Tico-tico riu-se tanto
Que morreu de congestão

O peru dança de roda
Numa roda de carvão
Quando acaba fica tonto
De quase cair no chão

O peru se viu um dia
Nas águas do ribeirão
Foi-se olhando, foi dizendo
Que beleza de pavão

Foi dormir e teve um sonho
Logo que o sol se escondeu
Que sua cauda tinha cores
Como a desse amigo seu.

Estrela do mar

Um pequenino grão de areia
Que era um pobre sonhador
Olhando o céu viu uma estrela
Imaginou coisas de amor
Passaram anos, muitos anos
Ela no céu, ele no mar
Dizem que nunca o pobrezinho
Pode com ela se encontrar

Se houve ou se não houve
Alguma coisa entre eles dois
Ninguém sabe até hoje afirmar
O certo é que depois, muito depois
Apareceu a estrela do mar.
SÍTIO DO PICA PAU AMARELO 

Marmelada de banana, bananada de goiaba
Goiabada de marmelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Boneca de pano é gente, sabugo de milho é gente
O sol nascente é tão belo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Rios de prata, pirata
Vôo sideral na mata, universo paralelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
Sítio do Pica-Pau amarelo
No país da fantasia, num estado de euforia
Cidade polichinelo
Sítio do Pica-Pau amarelo.




O ANEL (Bia Bedran)
Perdi meu anel no mar

Não pude mais encontrar
E o mar me trouxe a concha
De presente pra me dar

Será que foi parar na guela da baleia

Ou será que foi parar no dedo da sereia
Ou quem sabe, o pescador
Pescou o anel e deu pro seu amor

Tirum tarudê, tirum tarudê
Tirum tarudê, tirum tarudê
Tirururu tirum, tiru tirum
tararararurê rarum.
EU CONHEÇO UM JACARÉ

eu conheço um jacaré
que gosta de comer
escondam seus olhinhos
senão o jacaré
come seus olhinhos e o
dedão do pé

eu conheço um jacaré

que gosta de comer
escondam suas orelhas
senão o jacaré
come suas orelhas e o
dedão do pé

eu conheço um jacaré

que gosta de comer
esconda sua barriga
senão o jacaré
come sua barriga
e o dedão do pé.



O Girassol
Sempre que o sol
Pinta de anil
Todo o céu
O girassol
Fica um gentil
Carrossel
Roda, roda, roda
Carrossel
Roda, roda, roda
Rodador
Vai rodando, dando mel
Vai rodando, dando flor
Sempre que o sol
Pinta de anil
Todo o céu
O girassol
Fica um gentil
Carrossel
Roda, roda, roda
Carrossel
Gira, gira, gira
Girassol
Redondinho como o céu
Marelinho como o sol.



Coelhinhos pintadinhos

Coelhinhos pintadinhos,
Que vivem a pular.
Remexe, remexe,
Para lá e para cá.

Seu rabo curtinho,
Sempre a balançar.
Remexe, rabinho,
Para lá e para cá.

Seus olhos bem grandes
Sempre a brilhar.
Remexe os olhinhos,
Para lá e para cá.
Retirado do blogger Aprender para Aprender a Ensinar

0 comentários :

Postar um comentário